sexta-feira, 12 de outubro de 2018

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

31º Sarau Cruzeiro em Letras


Para comemorar os vintes anos do Centro Cultural Rubem Valentim, a ACL realizou seu 31º sarau no espaço onde foi fundada, e que se constitui no principal espaço público dedicado à cultura no Cruzeiro. Inaugurado em 27 de setembro de 1998, o auditório é um simpático e acolhedor espaço, por onde passaram vários nomes da cultura cruzeirense. Tivemos a presença do Grupo Paz e Amor do Cruzeiro Velho, do administrador regional Helio dos Santos e do então diretor de cultura à época da inauguração, o professor José César, além da cantora Djanira e da escritora Ana Cristina, além dos nossos imortais acadêmicos, no primeiro sarau oficial apresentado pelo presidente Pietro Costa.

Pietro Costa

Lucimar Rodrigues e Danne Strauss

Novaci Lula

Grupo Paz e Amor da 3ª idade

Siddha Abraxas

Djanira

Rafael Fernandes
João Ponciano

Ana Cunha Magalhães

Ana Cristina

Lili Ribeiro

Carlos Eugênio

José César

Mauro Rocha

sábado, 22 de setembro de 2018

Sarau matutino no SuperVeneza

O sábado amanheceu com mais poesia. A ACL promoveu uma edição extra do Sarau Cruzeiro em Letras nesta manhã no mercado SuperVeneza na Quadra 1101 do Cruzeiro Novo.


Seguindo a máxima de ir onde o povo está, levamos nossos livros para a frente do mercado que apoiou a iniciativa e realizamos o Sarau para o público que vinha fazer suas comprar logo pela manhã.




As pessoas passavam e ouviam, alguns paravam por mais tempo, e iam conhecendo um pouco de nosso trabalho, mostrando como a literatura sempre é bem recebido, mesmo quando menos se espera.





Momento especial foi quando João e Fábio toparam declamar poemas do livro Entre a caneta e o papel de Pietro Costa. Os dois funcionários do mercado mostraram desenvoltura ao se colocarem diante da plateia.





Agradecemos ao gerente Washington e toda equipe do Veneza pelo apoio e  por ceder o espaço para apresentarmos o nosso Sarau em um local de tanto movimento em nossa cidade.

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Papo de Sexta na DF FM


Foi ao ar nesta sexta, dia 21, o programa Papo de Sexta na DF FM, rádio Web localizado no Centro Comercial do Cruzeiro comandado por Andréia Bracho e Fabi.


O programa sempre recebe um membro da Academia quinzenalmente, e depois de mais de um ano de parceria, foi a vez de vir um grupo grande.


Joabe, Monica, Rafael, Lucimar, Norma, Ana, Vespasiano, Medeiros, Adamor, Aldemir e Mauro dividiram o espaço por duas horas em uma conversa descontraída sobre inspiração, mercado editorial e as próprias publicações.

A entrevista pode ser vista na íntegra no Facebook da Rádio DF FM ou clicando no link abaixo:

domingo, 9 de setembro de 2018

Reedição de Dynamis Érrion

O acadêmico Rafael Fernandes comemorou seu aniversário lançando uma nova edição de seu primeiro livro na noite de domingo no Quadradão do Cruzeiro Novo.



Dynamis Érrion, a história das aventuras do Dinâmico Erre recebeu uma nova diagramação para esta edição comemorativa que teve a presença de vários membros da ACL.


O programa O Libertário também esteve presente e em breve teremos a matéria indo ao ar pela TV Comunitária e no YouTube.
 



domingo, 2 de setembro de 2018

DISCURSO DE POSSE COMO PRESIDENTE DA ACADEMIA CRUZEIRENSE DE LETRAS

E, aquele
Que não morou nunca em seus próprios abismos
Nem andou em promiscuidade com os seus fantasmas
Não foi marcado. Não será exposto
Às fraquezas, ao desalento, ao amor, ao poema.”
MANOEL DE BARROS

Pietro Costa
A presente cerimônia de posse nesse ambiente conduz-me a emoções paradoxais. 

A uma, faço menção ao entusiasmo pela missão de ser um representante da arte e a literatura produzidas no Cruzeiro para o Distrito Federal, o Brasil e, quiçá, o mundo. 

Creio que a busca engajada e solidária pelo conhecimento, enquanto elevada aspiração, há de prover nosso planeta de pessoas melhores e, consequentemente, levá-lo a um novo patamar de progresso intelectual, moral e espiritual.

Fraternidade, liberdade, respeito, amor ao próximo, criticidade, empatia, humildade, responsabilidade, civismo e eticidade, são noções que somente se aprendem e internalizam pela convivência, na esteira de bons exemplos. 

A duas, refiro-me ao medo de destoar demais dos notáveis companheiros e companheiras desta distinta Academia, pela condição pessoal de quem ainda ensaia seus primeiros passos na carreira literária. O que me afaga e encoraja é a serenidade de que o prestígio e a fama importam bem menos do que a autenticidade e a justeza de propósitos. 

Os degraus que precedem a excelência serão, naturalmente, suplantados com o tempo. Discípulos se tornam mestres pelo convívio enriquecedor com os preceptores, na disposição de se expor às turbulências de olhares críticos, na audácia de desabitar lugares-comuns e pacíficos em busca de conflitos e abismos de sentido. 

Eu me considero, da ACL, um irmão, não pelo sangue, mas por nossas células serem revestidas da mesma energia provinda da fraterna amizade.

Se não tenho a vaidade ingênua ou soberba de esperar louros dourados de consideração, é intrêmulo o comprometimento de perfilhar todos os meios idôneos para que a ACL continue abrigando talentos motivados pelo amor às artes e literatura, contribuindo para elevar o pensamento crítico de nossos cidadãos.

Meu compromisso é manter e aperfeiçoar, no que for cabível e de consenso entre os pares, o projeto ousado, agregador, coerente e exitoso que vem sendo deflagrado nos últimos anos, mediante o trabalho perseverante, minucioso e engajado de todos, que tem nos propiciado uma crescente visibilidade e prestígio na cena cultural brasiliense.

Apesar de minha inexperiência em gestão e das sensíveis limitações impostas pelas contingências familiares e profissionais, de sabença do grupo, sinto-me motivado para assumir o desafio ora colocado, pelo respaldo dos pares e por acreditar no poder da superação e, especialmente, do trabalho colaborativo, marca registrada da ACL desde a sua fundação.

Apostando na renovação e alternância, essa honorável Associação demonstra sua solidez e maturidade enquanto coletivo. 

Lembrando o Imortal poeta e músico Ney Valença, com singelas adaptações: na ponta da corda bamba, que balança forte e nos joga, fixemos os olhos na vida, não importando pra que lado o vento pende e sopra! 

No meu mandato, tenciono encampar a defesa resoluta do diálogo franco, respeitoso, equânime e tolerante, sem subterfúgios, constrangimentos ou privilégios, priorizando, de modo inarredável, a construção de pautas e propostas factíveis, a fim de concretizar nossos objetivos de fortalecer as letras e cultura em geral, além de difundir e valorizar as artes e a literatura do DF.

É preciso, não obstante, lutar contra o obscurantismo e retórica ardilosa das ideias preconcebidas, das visões de mundo maniqueístas/simplificadoras, tão arraigadas em nossos hábitos, como a reprodução de textos prontos e de falácias flácidas, as distorções da realidade não raras

Pelos livros, há de vir o livramento de que tanto necessitamos! E também pela voz, pelos gestos, pela música, pela poesia, pelo teatro, pela dança, pela prosa, pelas múltiplas manifestações artísticas, enquanto libelos em proveito da legitimação das diversidades de visões e comportamentos; como brado a favor da liberdade e da paixão – vetores de inspiração criativa e realização humana! 

Prossigamos convictos de nossos ideais de inclusão e cidadania, palmilhando, entre as conquistas vindouras, nosso próprio lugar no mundo, cujo mapa encontra-se desenhado em nossos corações! E mais uma vez, em memória de nosso homenageado: “O destino descortina-se proveitoso e próspero na sua plenitude.” VIVA NEY VALENÇA! VIVA A ACL!

30° Sarau Cruzeiro em Letras



Com o tema Saudade, prestamos uma homenagem ao nosso imortal Ney Valença na quinta-feira, dia 31 de agosto, fechando o mês que marcou quatro anos de atividades de nossa ACL. Com a presença de sua viúva Helenice, seu irmão Rui, amigos e familiares, foi uma noite marcada pela emoção.

Mauro Rocha

Leal Carvalho

Prof. Medeiros

Novaci Lula

Lili León, Shirley e Henrique

Siddha Abraxas

Lucimar Rodrigues e Danne Strauss

Ana Cunha Magalhães

João Ponciano
Todos os poetas da ACL puderam falar um pouco do convívio com Ney, fossem mais próximos ou não, e recitaram poemas e letras de músicas do livro Abraçando a Poesia, do autor recém-falecido. Amigos fizeram depoimentos sobre a história deste ativista cultural que desde cedo atuou em nossa cidade fazendo música e poesia.

Família de Ney Valença, presente ao sarau

Carlos Eugênio

Norma Brito

Rafael Vespasiano

Nilo

A noite também foi de transição. Encerrava-se o segundo mandato de Rafael Fernandes, que transmitiu o cargo para a nova diretoria, composta por Pietro Costa (presidente), Mauro Rocha (vice), Monica Barcelos (secretaria-geral) e Lucimar Rodrigues (tesoureira). Este será o primeiro mandato sob o novo estatuto que institui uma gestão agora de dois anos, sendo o período 2018/2020.

Diretoria 2018/2020

Lucimar: tesoureira

Monica: secretária-geral

Mauro: vice

Pietro: presidente

A noite seguiu com mais músicas e poesias e ao final  depoimentos de familiares encerraram a trigésima edição de nosso sarau.

Discurso de posse

Danne Strauss

Lili Ribeiro

Pedro Celso

Cleomar Campos

Monica Barcelos

Rui Valença